Não há mídia social privada para agentes públicos, e toda esfera pública é política

Debora Diniz

Publicado originalmente na Época

O ministro da Educação Abraham Weintraub desconhece a liturgia do cargo. É um ministro de Estado, mas se comporta como um menino birrento no pátio da escola. Quando leio suas mensagens no Twitter, penso nos personagens adolescentes de colégio interno de José Lins do Rego — os filhos de senhor do engenho que se separavam da casa grande e viviam a masculinidade bruta entre meninos e animais.

Foi assim que reagiu à notícia de que o avião da FAB em comitiva do Presidente Bolsonaro foi usado para tráfico internacional de drogas. Em vez de se calar pelo vexame da gravidade, agrediu os ex-presidentes Lula e Dilma.

Sou professora e pesquisadora universitária. Me interessa saber o que diz o ministro da Educação. Ontem, pela primeira vez, respondi à postagem vulgar de Weintraub sobre Lula e Dilma. Friso que respondi ao ministro da Educação, que, na biografia de sua conta, descreve-se como “Professor universitário, economista, mestre em administração. Ministro da Educação”.

Nem precisava de tanto, como “Ministro da Educação” no título da conta, mas aí estava para garantir a quem me dirigiria: se ao professor licenciado, economista ou mestre em administração. Não há Twitter privado para agentes públicos — toda esfera pública é política. Assim é com o Twitter, Facebook ou qualquer outra mídia social.

Não é falta de etiqueta sobre o espaço público digital que falta a ele, ao presidente Bolsonaro ou à ministra Damares Alves. É mesmo falta de modos e desconhecimento sobre a liturgia dos cargos. Ignoram o que é ser representante do povo e, no caso de Weintraub, o que é ser aquele que, desafortunadamente, orienta as políticas educacionais do país.

O mais surpreendente da alienação política é o gesto de censurar o diálogo com aqueles que discordam de suas ideias ou, como eu, de alguém que lhe fazia perguntas. À postagem sobre Lula e Dilma, comentei “Ministro, isso se chama balbúrdia. Dada sua idade, balbúrdia colegial, de meninos no pátio da escola. No seu caso, há mais do que falta de modos, há desrespeito à liturgia do cargo”.

Hoje, Weintraub me bloqueou, e arriscou justificar-se: “Esse é meu Twitter, caso queiram informação institucional, sigam o MEC; ninguém é obrigado a me seguir ou ver o que escrevo, tem link do MEC para isso; tenho vida fora do trabalho”. Depois ainda descreveu quem bloqueia como “gente chata e de esquerda”.

Quem tem Twitter privado sou eu, uma professora exilada do país pela fúria dos extremistas. Se sou chata, não discuto no pátio com meninos. Não o fazia nem quando era criança, menos ainda quando já tenho cabelos brancos.

Não há palanque privado no espaço público para quem representa o Estado. Por isso, não entendi duas partes da resposta de Weintraub. A primeira, a mais interessante, e que me sugere que o ministro faltou às aulas de introdução à sociologia ou ciência política. Não há vida fora da política quando se é ministro de Estado.

Sua missão é ser ministro da Educação do governo Bolsonaro, não importa se sentado em uma CPI no Congresso Nacional ou se de pijama assistindo a novela. Seu Twitter é sua voz política, por isso deve ser público e sem censura. A segunda parte da resposta é ingênua: ele se descreve como bem-humorado. Humor não é desrespeito, como fez na postagem sobre o peso de Lula e Dilma.

Peço ao ministro Weintraub que se localize no tempo histórico em que vive a política — palanque não é apenas o de comício no meio da praça, mas também uma conta de Twitter. Ali é também o espaço público.

Sendo assim, há somente três regras possíveis de arbitragem à democracia pela via digital: apelar à mediação do Twitter para bloqueio ou cancelamento de contas em caso de violação de direitos; ignorar ou emudecer seguidores, assim não terá dores de cabeça com o exercício do dissenso democrático ou, o mais razoável a um ministro da Educação, permitir que todo e qualquer cidadão o siga e comente com civilidade. Só três escolhas: fora delas, a escolha de silenciar se chama censura.