Quem somos


Fundada em 1999, Anis é a primeira organização não-governamental, sem fins lucrativos, voltada para a pesquisa, assessoramento e capacitação em bioética na América Latina. Com sede em Brasília, a Anis desenvolve suas atividades com uma equipe multidisciplinar de profissionais com larga experiência em pesquisa social, incidência política, litígio estratégico e projetos de comunicação sobre violações e defesa de direitos, em campos como direitos sexuais, direitos reprodutivos, deficiência, saúde mental, violências e sistemas penal e socioeducativo.

Diálogo


Em nosso perfil no Facebook, postamos durante a semana o conteúdo dos blogs Vozes da Igualdade e Palavras Escondidas. O Vozes da Igualdade é um projeto de comunicação criado em março de 2015 e é um parlatório para mídias sociais. Falamos de temas difíceis, que nos perturbam e recusam respostas fáceis. Por lá, gostamos de ouvir as inquietações de nossas seguidoras; estamos sempre abertas ao diálogo. O Palavras Escondidas é um projeto de ética e escrita acadêmicas, criado em novembro de 2015. Temas como plágio, comunicação científica e o mundo da produção acadêmica são discutidos todas as semanas com posts e podcasts. Além disso, nosso canal do Youtube divulga nossos vídeos semanais e todos os documentários produzidos pela nossa produtora audiovisual.

Trajetória e conquistas


Nos últimos anos, atuamos, dentre outras ações, como especialistas em audiências públicas no Supremo Tribunal Federal – sobre pesquisas com células-tronco embrionárias em 2007, judicialização da saúde em 2009 e, mais recentemente, sobre o ensino religioso nas escolas públicas em 2015. Desenvolvemos ainda a estratégia da ADPF 54, em cuja decisão, em 2012, o Supremo Tribunal Federal reconheceu o direito à interrupção da gestação para mulheres grávidas de fetos anencéfalos. Em 2010, realizamos a Pesquisa Nacional do Aborto – PNA, a qual revelou que 1 em cada 5 mulheres brasileiras fez pelo menos um aborto até os 40 anos. A PNA recebeu o prêmio Prêmio Fred L. Soper à Excelência em Literatura sobre Saúde, oferecido pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). Em 2013, publicamos o primeiro censo nacional dos Hospitais de Custódia e Tratamento Psiquiátrico, o qual revelou que 19% dos loucos infratores internados em todo o país estão em reclusão ilegal, e outros 30% estão com laudos atrasados, ou seja, mantidos em internação sem justificativa legal que a autorize.
Em 2014, publicamos ainda o primeiro censo da população prisional da Penitenciária Feminina do Distrito Federal, o qual mostrou que 1 em cada 4 mulheres presas esteve internada em uma unidade socioeducativa na adolescência. Também criamos e desenvolvemos a produtora ImagensLivres, pela qual realizamos sete documentários em temas de direitos humanos e ganhamos, ao todo, 60 prêmios. A partir de 2016, a epidemia do vírus zika e a proteção de direitos de mulheres e crianças afetadas por essa crise de saúde pública passam a compor nossa agenda política.