[vc_row][vc_column width=”1/3″][/vc_column][vc_column width=”2/3″][vcex_navbar menu=”6″ font_weight=””][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Uma apresentadora de tevê branca e loira compartilha uma foto de suas babás negras. A apresentadora elogia as roupas das moças — “descoladas” foi sua palavra. De quebra, elogia a si mesma na estética e nas regras da casa, pois, como patroa, não exige que as moças usem uniforme branco. O que há de errado com uma foto bem-intencionada, tão parecida com outras formas de vida em espetáculo nas redes sociais?

Com a foto em si, talvez nada. As moças sorriem, parecem concordar com o clique. É do lado de cá, de quem admira a foto, que a complicação começa. Imagens não são interpretadas no vazio — atraem outras imagens que direcionam o olhar. E o que a foto atrai? Nosso recente passado de sinhás cordiais com escravas negras, nosso presente de hierarquia racial, em que muitas são as babás negras e poucas as modelos negras. A foto feliz nos perturba ao lembrar a desigualdade racista que não temos direito de esquecer, e que nossas boas intenções, sozinhas, não fazem sumir.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vcex_social_links social_links=”%5B%7B%22site%22%3A%22youtube%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Fwww.youtube.com%2Fchannel%2FUCLEnSx2zVwo3KPpCU5h64_w%22%7D%2C%7B%22site%22%3A%22facebook%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Fpt-br.facebook.com%2FAnisBioetica%22%7D%2C%7B%22site%22%3A%22twitter%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Ftwitter.com%2Fanis_bioetica%3Flang%3Dpt%22%7D%5D” style=”minimal-rounded” align=”right” size=”20″ width=”30″ height=”30″][/vc_column][/vc_row]