[vc_row][vc_column width=”1/3″][/vc_column][vc_column width=”2/3″][vcex_navbar menu=”6″ font_weight=””][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Em um minidocumentário recente, a Agência Senado contou a história do menino Bernardino, que engraxava sapatos no Rio de Janeiro nos anos 1920. Em 1926, Bernardino jogou tinta na calça de um cliente que se recusou a pagar pelas botinas engraxadas. Por causa da ousadia, o menino de 12 anos, negro e pobre, foi mandado para a cadeia por um mês. Lá, foi violentado e espancado por vinte homens. Médicos que socorreram Bernardino e jornalistas que contaram o caso se revoltaram. O Brasil se espantou e resolveu aprender com a tragédia. Em 1927, foi criado o Código de Menores, que proibiu a prisão de crianças e adolescentes como se fossem adultos e determinou 18 anos como a maioridade penal.

Em 2015, quase cem anos depois, o Congresso Nacional quer voltar a colocar Bernardinos na prisão, como se fossem adultos. Quer tirá-los da escola ainda mais cedo e mandá-los para presídios superlotados, onde só há facções criminosas como professores. Quer afastá-los da família, dos amigos, de quem se importa com eles. Quer repetir um passado trágico que insiste em esquecer. Cadê nosso espanto?

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vcex_social_links social_links=”%5B%7B%22site%22%3A%22youtube%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Fwww.youtube.com%2Fchannel%2FUCLEnSx2zVwo3KPpCU5h64_w%22%7D%2C%7B%22site%22%3A%22facebook%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Fpt-br.facebook.com%2FAnisBioetica%22%7D%2C%7B%22site%22%3A%22twitter%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Ftwitter.com%2Fanis_bioetica%3Flang%3Dpt%22%7D%5D” style=”minimal-rounded” align=”right” size=”20″ width=”30″ height=”30″][/vc_column][/vc_row]