Objeção de consciência

out 28, 2015 @ 16:58|Vozes|

Semana sim, semana não, o papa Francisco está em manchetes. Tempos atrás, quando concedeu perdão temporário ao pecado aborto, usou linguagem nativa da igreja católica. Desta vez, o papa resolveu falar em direitos e escolheu objeção de consciência como tema. Anunciou que servidores públicos podem se recusar, em nome de suas crenças religiosas, a mover burocracia estatal para que pessoas se casem.

Mulheres da Lei Maria da Penha

out 5, 2015 @ 17:11|Vozes|

Ela é trans: sofreu violência, denunciou e reclamou direito à Lei Maria da Penha. Em primeira instância, seu pedido foi negado por juiz que pretendia saber mais sobre quem era a vítima do que ela mesma. O Tribunal de Justiça de São Paulo voltou atrás, e garantiu a proteção legal prevista para quem se apresenta como mulher. Por aqui não temos dúvidas: aplicar a Lei Maria da Penha é decisão justa para a trans que sofreu violência na casa, pelas mãos do ex-companheiro.

Financiamento de campanha e igualdade

set 29, 2015 @ 16:13|arquivo, notícia|

Texto publicado no portal Justificando   Apresento-me como antropóloga, é verdade, mas não é da autoridade do título que descrevo a cena de julgamento dos ministros do Supremo Tribunal Federal como parecida com a de velhos sábios em uma tribo indígena. Eles falam entre si, vestem-se propriamente para o encontro, fazem uso de linguagem que [...]

Estatuto da família

set 17, 2015 @ 16:48|Vozes|

Tramita na Câmara dos Deputados o projeto de lei que pretende criar o Estatuto da Família. A justificativa dos parlamentares que o defendem parece nobre: eles alegam ser dever do Estado criar políticas públicas para garantir saúde, educação, cultura, trabalho e lazer às famílias. Até aqui, estamos de acordo. O problema é que eles querem também que o Estado decida quem é e quem não é família.

Quem é família?

set 15, 2015 @ 16:25|arquivo, notícia|

Texto publicado no portal Justificando   A resposta está logo na abertura de um projeto de lei que recebe um nome suntuoso, Estatuto da Família: “define-se entidade familiar como o núcleo social formado a partir da união de um homem e umamulher”. Quem grita não sou eu — o negrito foi estética original, um projeto desajeitado de [...]

Prostituição

ago 28, 2015 @ 16:29|Vozes|

Na maioria dos países, a profissão mais antiga do mundo não foi regulamentada. Mulheres, travestis, pessoas trans e homens que exercem trabalho sexual não têm direito a férias, folgas, aposentadoria, auxílio em caso de doença. Não podem formar sindicatos, não podem cobrar serviços prestados e não pagos, nem questionar abusos e más condições de trabalho em casas de prostituição.

Patroas e babás

ago 20, 2015 @ 16:33|Vozes|

Uma apresentadora de tevê branca e loira compartilha uma foto de suas babás negras. A apresentadora elogia as roupas das moças — “descoladas” foi sua palavra. De quebra, elogia a si mesma na estética e nas regras da casa, pois, como patroa, não exige que as moças usem uniforme branco. O que há de errado com uma foto bem-intencionada, tão parecida com outras formas de vida em espetáculo nas redes sociais? Com a foto em si, talvez nada. As moças sorriem, parecem concordar com o clique. É do lado de cá, de quem admira a foto, que a complicação começa. Imagens não são interpretadas no vazio — atraem outras imagens que direcionam o olhar. E o que a foto atrai? Nosso recente passado de sinhás cordiais com escravas negras, nosso presente de hierarquia racial, em que muitas são as babás negras e poucas as modelos negras. A foto feliz nos perturba ao lembrar a desigualdade racista que não temos direito de esquecer, e que nossas boas intenções, sozinhas, não fazem sumir.

Especismo

ago 11, 2015 @ 16:39|Vozes|

Um espetinho de churrasco, um casaco de pele, uma nova sombra que promete não irritar os olhos, um show com baleias em um parque aquático. O que esses produtos têm em comum? A exploração de animais não humanos.

Adesivo odioso

jul 19, 2015 @ 16:15|Vozes|

O que você exibe nos adesivos do seu carro? Talvez o tamanho da sua família, seu time do coração, uma referência religiosa ou uma preferência política. Para falar de política nos adesivos, há formatos consagrados: o número do seu candidato, “Fora Fulana”, “A culpa não é minha, eu votei em Sicrano”, um símbolo de partido. Críticos da presidenta Dilma perderam o senso do razoável: querem protestar contra o aumento da gasolina com uma imagem de estupro.

Deficiência e cotas

jul 15, 2015 @ 16:19|Vozes|

Em 2008, o Brasil ratificou a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e atribuiu-lhe status de texto constitucional. Na semana passada, uma nova conquista: foi sancionado o Estatuto da Pessoa com Deficiência, que busca remover barreiras impostas a pessoas com impedimentos corporais no exercício de seus direitos a saúde, moradia, educação, cultura, trabalho.