Após dois anos, caso “vagabunda” de discurso de ódio em RO vai a julgamento

jun 25, 2018 @ 12:32|artigo, imprensa, notícia|

por Natacha Cortêz Publicado originalmente na UOL Sinara Gumieri, aquela vagabunda. Defensora de aborto, de gênero. E 'ai' dela que mande me processar, que eu provo que ela é. Aquela mulher, aquela bostinha, cocô. (...) Sapatona muito doida As palavras acima, ditas em sala de aula pelo professor da Universidade Federal de Rondônia (UNIR) Samuel Milet [...]

‘Quem manda aqui?’: Paulina Chiziane é mais do que uma mulher negra escritora de Moçambique

jul 14, 2016 @ 19:46|imprensa, notícia|

Paulina Chiziane é mais do que uma mulher negra escritora de Moçambique. Quero assim sem vírgulas na descrição de quem quer que ela seja. Não cabe isso de identidades do mundo - ela é Pauline Chiziane, a primeira contadora de história com direito à livro com assinatura própria em Moçambique. Ela também já renunciou aos variados títulos que lhe concederam: feminista tradicionalista espiritista romancista. Recentemente, anunciou: "Não volto a escrever. Basta!". Se fosse branca ou homem, diz ela, "diriam que Paulina é uma grande antropóloga".

Gays querem (e devem) doar sangue

jun 17, 2016 @ 17:49|imprensa, notícia|

Esse é daqueles temas que se fizéssemos uma pesquisa populacional - "você é contra ou a favor de um homem homossexual doar sangue?" - encontraríamos uma avassaladora maioria dizendo "contra, homossexuais não devem doar sangue". O que moveria essas pessoas? Medo e falta de informação; ou, se posso ser mais rude nas palavras, discriminação e ignorância.

Objeção de consciência e polarização política

abr 5, 2016 @ 17:33|Vozes|

Uma médica pediatra se recusou a seguir atendendo um bebê de um ano porque a mãe dele é filiada ao Partido dos Trabalhadores (PT). Diante de denúncia feita pela mãe da criança, o Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (CREMERS) se apressou em defender a médica, alegando exercício de objeção de consciência, previsto no Código de Ética Médica.

Bullying nas escolas

fev 14, 2016 @ 18:32|Vozes|

Acaba de começar a valer a Lei 13.185/2015, que criou o programa de combate ao bullying, traduzido para o português como intimidação sistemática. Diz a lei que a prática pode envolver agressões físicas, xingamentos, ameaças, isolamento, chacota e até assédio sexual. Talvez por isso usemos a palavra em inglês: para distrair o espanto de saber que pode haver tanta violência entre crianças e adolescentes no espaço escolar, que deveria ser seguro.

Não grite eugenia: ouça as mulheres

fev 4, 2016 @ 17:15|arquivo, artigo, Vozes|

por Debora Diniz   Eu queria que você me escutasse: por favor, não grite “eugenia!” Essa é uma palavra maldita, carrega um passado de pânico e anuncia um futuro no qual nenhuma de nós quer viver. É verdade, os nazistas foram eugênicos. Eles foram até mais do que isso: houve práticas de exceção e de [...]

Trans e cirurgia

jan 29, 2016 @ 19:01|Vozes|

Bernardo Gonçalves cansou de esperar atendimento em um hospital público. Criou uma campanha online para arrecadar dinheiro para fazer uma mamoplastia masculinizadora. Bernardo é um homem trans, e o busto faz-lhe viver encurvado e apertado em uma faixa compressora. A cirurgia lhe permitirá esticar a espinha e caminhar sem dor pela rua, respirar melhor enquanto ensina crianças a tocar instrumentos musicais.

Cirurgia trans: necessidade de saúde

jan 26, 2016 @ 13:14|arquivo, artigo|

por Debora Diniz   Bernardo Gonçalves tem 22 anos e é transexual. Ao nascer, foi sexado como mulher; hoje, se apresenta como um trans homem. Para sobreviver no próprio corpo, esconde-se: anda curvo, mas não porque sofre de dores na coluna; uma faixa aperta-lhe os bustos, aquele resto volumoso que deixa seu corpo indiscreto com [...]

Bebê índio morto

jan 15, 2016 @ 19:47|Vozes|

Em 30 de dezembro de 2015, Vitor Pinto, um bebê indígena Kaingang de 2 anos, foi assassinado por um homem branco enquanto comia no colo da mãe, Sônia. Mãe e bebê aguardavam na rodoviária de Imbituba, em Santa Catarina, enquanto o pai, Arcelino, a irmã Elionai e o irmão Jessé trabalhavam vendendo artesanato para turistas.

Sociedade sem manicômio

dez 11, 2015 @ 17:44|Vozes|

O anúncio da substituição da Coordenação Nacional de Saúde Mental do Ministério da Saúde deixou movimentos da luta antimanicomial em rebuliço. O antigo coordenador, Roberto Tykanori, ajudou a denunciar maus-tratos que levaram ao fechamento de um manicômio dirigido por anos pelo novo nomeado, Valencius Duarte W. Filho. As diferenças de currículo são indícios de retrocesso na política de atenção a pessoas em sofrimento mental: de uma rede territorial e comunitária de cuidado em liberdade, construída pela reforma psiquiátrica, para o modelo anterior de isolamento e tratamentos degradantes em máquinas de abandono disfarçadas de hospitais.