[vc_row][vc_column width=”1/3″][/vc_column][vc_column width=”2/3″][vcex_navbar menu=”6″ font_weight=””][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]O tema não é simples, por isso vamos por passos: aumentou o número de casos registrados de recém-nascidos com microcefalia no país, especialmente na região nordeste. Microcefalia é uma má-formação cerebral que pode provocar problemas graves no desenvolvimento de crianças. Na tentativa de entender esse surto recente, autoridades de saúde levantaram a hipótese de que os casos estejam associados a infecções pelo vírus zika sofridas pelas mulheres grávidas. A doença, causada pelo vírus zika e transmitida pelo mesmo vetor da dengue, o mosquito Aedes aegypti, também é nova no Brasil. A relação entre o vírus zika e a microcefalia ainda precisa ser seriamente estudada, mas é nessa explicação que os agentes de saúde mais acreditam no momento.

Eis que o Ministério da Saúde se manifesta sobre medidas de prevenção: para evitar a microcefalia em bebês, mulheres deveriam não engravidar. O ministro Marcelo Castro declarou: “Sexo é para amador, gravidez é para profissional. A pessoa que vai engravidar precisa tomar os devidos cuidados. Ninguém deve engravidar ao acaso, deve ser feito um planejamento para uma maternidade responsável”. Em seguida, multiplicaram-se as notícias com manchetes de médicos recomendando que mulheres evitem engravidar.

Nós achamos que faltaram passos entre o problema e as recomendações de prevenção. Se um mosquito pode ser o causador do surto de microcefalia, por que a medida de prevenção não é – como no caso da dengue – eliminar o mosquito? Isso sem falar na hipocrisia de recomendar planejamento reprodutivo para as mulheres quando nossas decisões são restringidas por dificuldades de acesso a contraceptivos e pela criminalização do aborto. O Ministério da Saúde precisa decidir se quer controlar os mosquitos ou as mulheres. Nossa recomendação é clara: no surto de microcefalia, há dois inimigos a combater – o Aedes aegypti e o patriarcado.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vcex_social_links social_links=”%5B%7B%22site%22%3A%22youtube%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Fwww.youtube.com%2Fchannel%2FUCLEnSx2zVwo3KPpCU5h64_w%22%7D%2C%7B%22site%22%3A%22facebook%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Fpt-br.facebook.com%2FAnisBioetica%22%7D%2C%7B%22site%22%3A%22twitter%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Ftwitter.com%2Fanis_bioetica%3Flang%3Dpt%22%7D%5D” style=”minimal-rounded” align=”right” size=”20″ width=”30″ height=”30″][/vc_column][/vc_row]