[vc_row][vc_column width=”1/3″][/vc_column][vc_column width=”2/3″][vcex_navbar menu=”6″ font_weight=””][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]

O meu lugar no mundo não pode ser o mesmo que o seu, pois você pode me molestar. Então, me colocam em um lugar em separado, “exclusivo”, para que você não me moleste. Assim é o vagão rosa, proposta já adotada no transporte público em algumas cidades brasileiras e também em outros cantos do mundo. Com o objetivo de proteger as mulheres de assédio e violência, governos decidiram segregá-las. O chamado vagão rosa pode ser algo sombrio para as mulheres, mas pode também ser garantia de mobilidade urbana em uma sociedade machista.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vcex_social_links social_links=”%5B%7B%22site%22%3A%22youtube%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Fwww.youtube.com%2Fchannel%2FUCLEnSx2zVwo3KPpCU5h64_w%22%7D%2C%7B%22site%22%3A%22facebook%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Fpt-br.facebook.com%2FAnisBioetica%22%7D%2C%7B%22site%22%3A%22twitter%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Ftwitter.com%2Fanis_bioetica%3Flang%3Dpt%22%7D%5D” style=”minimal-rounded” align=”right” size=”20″ width=”30″ height=”30″][/vc_column][/vc_row]