No Easy Answers in Brazil

ago 1, 2016 @ 12:47|imprensa, notícia, Zika|

The outbreak started there last year and spread to other parts of the Americas. The people it's affecting most are at places such as a hospital in Brazil's northeast. It receives more than 100 babies with microcephaly every week. It's a condition linked to Zika and can mean developmental problems.

Zika emergency pushes women to challenge Brazil’s abortion law

jul 19, 2016 @ 14:07|imprensa, notícia, Zika|

Women’s groups in Brazil are set to challenge the abortion laws this summer in the hope of making a safe and legal termination possible for women at risk of delivering a baby born with defects after exposure to the Zika virus.

“Frauen müssen im Zentrum der Debatte über Zika stehen”

jul 1, 2016 @ 19:06|imprensa, notícia, Zika|

Nicht mal Epidemien werden in Brasilien gleich verteilt. Das Zika-Virus hat ein Gesicht, das es besser repräsentiert, als das von dem gestreiften Insekt mit den langen Beinen. Es ist das Gesicht der Frauen aus armen Regionen, die wegen der möglichen Mikrozephalie ihrer Kinder leiden. "Die Verteilung des Zikas hängt von Gender, Klasse und Rasse ab", sagte die brasilianische Anthropologin Debora Diniz.

Hospitais barram aborto até em casos previstos por lei

jun 21, 2016 @ 18:06|imprensa, notícia|

São Paulo – Há 76 anos (isso mesmo, setenta e seis), o aborto em casos de estupro é autorizado por lei no Brasil – mas até hoje sobram dúvidas e barreiras para mulheres que precisam se valer desse procedimento. A legislação brasileira permite a interrupção da gravidez em 3 situações: se a mulher foi vítima de estupro, em caso de anencefalia ou quando a mãe corre risco de morte.

Condições para um debate

jun 16, 2016 @ 17:43|imprensa, notícia|

Embora a epidemia da zika afete muitos países da África e outros da América do Sul e Central, foi no Brasil que se estabeleceu a primeira correlação entre a infecção e a microcefalia. Em novembro de 2015, a Fundação Oswaldo Cruz notificou a presença do genoma do vírus zika em amostras de líquido amniótico de duas gestantes da cidade de Campina Grande, estado da Paraíba, em cujos fetos houve confirmação de microcefalia por meio de exame ultrassonográfico, após a suspeita ser levantada pela médica Adriana Mello, especialista em saúde fetal de uma maternidade daquele município. A partir daquele momento, porém, o governo brasileiro adotou postura diferente de países como Colômbia e El Salvador, preferindo não recomendar às mulheres que evitassem engravidar, em um contexto onde ainda não se havia comprovado o nexo entre a infecção por zika e os casos de microcefalia.

Há danos permanentes nas futuras gerações, diz pesquisadora

jun 11, 2016 @ 17:16|imprensa, notícia|

A antropóloga brasileira Debora Diniz, pesquisadora da Anis – Instituto de Bioética, foi uma das 150 cientistas que escreveu uma carta para a OMS (Organização Mundial de Saúde) pedindo o adiamento ou transferência de sede da Olimpíada por causa da zika. Confira a entrevista exclusiva.

Zika, a epidemia que espelha desigualdades

jun 7, 2016 @ 16:15|imprensa, notícia, Zika|

Nem epidemias se espalham de forma igualitária no Brasil. O vírus da zika tem um rosto que o representa até mais do que o inseto listrado de pernas longas. Esse rosto é o das mulheres de áreas mais pobres que sofrem diante das incertezas da possível microcefalia de seus bebês. “O zika tem distribuição de gênero, classe e raça”, diz a antropóloga Debora Diniz em entrevista à Ovelha.

Epidemia nos holofotes

jun 7, 2016 @ 16:05|imprensa, notícia, Zika|

“A primeira reação é o silêncio. As pessoas não sabem se elas aplaudem, como reagem: se é uma peça de estética ou uma peça política, a qual relata um sofrimento que não é ficcional, é documental. Então, como aplaudir a dor do outro?”. Essa foi a descrição da professora da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília e pesquisadora da Anis – Instituto de Bioética, Débora Diniz, sobre a primeira exibição internacional do documentário Zika, ocorrida em maio, em Copenhague, na Dinamarca.

Por que precisamos falar sobre aborto?

jun 1, 2016 @ 19:43|imprensa, notícia|

O corpo de Jandira Magdalena, 27 anos, foi encontrado carbonizado, sem os dentes e sem impressões digitais. Ela havia saído de uma clínica clandestina para fazer um aborto, no Rio de Janeiro, em 2014. Jandira tinha duas filhas.

Feministas criticam escolha de socióloga contra aborto para secretaria de Política para Mulheres

jun 1, 2016 @ 19:12|imprensa, notícia|

Apesar de seu nome ainda não ter sido publicado no "Diário Oficial", a socióloga Fátima Paeles já responde como a nova secretária de Política para Mulheres do Governo Federal. Ex-deputada federal eleita pelo PMDB do Amapá, a Fátima declarou-se contra o aborto em caso de estupro (legal no país desde 1984). Ex-militante em defesa da descriminalização, ela mudou de opinião depois de tornar-se evangélica. Em nota, ela disse que seu “posicionamento sobre a descriminalização do aborto não vai afetar o debate de qualquer questão a frente da Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres”. Feministas ouvidas por Marie Claire criticaram a escolha do presidente interino.