Mulheres e itinerário carcerário no Distrito Federal

Este projeto de pesquisa teve por objetivo conhecer e produzir uma radiografia da população feminina habitante do Presídio Feminino do Distrito Federal (PFDF), conhecido como Colmeia. Foi realizado um censo da população sentenciada em regime fechado, o qual mostrou que 1 em cada 4 mulheres presas passou por uma unidade de internação socioeducativa na adolescência. Aquelas que passaram por internação na adolescência também viveram mais tempo na rua, usaram mais drogas e passaram por mais experiências de violência doméstica e prostituição. Os resultados foram consolidados no artigo de Debora Diniz e Juliana Paiva, “Mulheres e prisão no Distrito Federal: itinerário carcerário e precariedade da vida”, publicado na Revista Brasileira de Ciências Criminais, v. 111, p. 313-328, 2014.
A pesquisa na Colmeia gerou ainda como produto o livro “Cadeia: relatos de mulheres”, fruto da experiência etnográfica de Debora Diniz como pesquisadora-ouvidora de histórias no núcleo de saúde do presídio, por 6 meses. O livro conta a história de 50 mulheres presas e mostra como, apesar de singulares, compartilham marcadores cruéis de precarização da vida pelo gênero, pela cor, pela pobreza e pela criminalização. Veja mais sobre o livro aqui.