[vc_row][vc_column width=”1/3″][/vc_column][vc_column width=”2/3″][vcex_navbar menu=”6″ font_weight=””][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Na votação que aprovou a abertura do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, a multidão de homens brancos que compõem a Câmara dos Deputados mostrou o que move nossa democracia representativa. Em vez de votar sobre a prática de crime de responsabilidade fiscal pela presidenta, deputados votaram pelo desrespeito à laicidade do Estado, pela discriminação a pessoas e famílias fora da heteronorma, pelo autoritarismo saudoso da tortura da ditatura militar. Em meio a tantas afrontas antidemocráticas, não faltou o sexismo da política partidária: estava lá, nos menos de 10% de mulheres deputadas. Estava nas placas pró-impeachment de “Tchau, querida”, que aludiam à presidenta pelo vocativo condescendente usado contra mulheres em espaços de poder. Estava nas vaias à deputada que não foi à votação por estar de licença-maternidade.

Se há dúvidas quanto ao patriarcado que insiste em hostilizar mulheres na política, a grande mídia reforça a mensagem. No dia seguinte ao da votação, uma poderosa revista semanal dedicou manchete de “bela, recatada e “do lar”” a Marcela Temer, companheira de Michel Temer e primeira-dama em potencial. O tom elogioso da matéria contrasta com o dos perfis feitos sobre a presidenta Dilma, descrita como mandona, agressiva e propensa a “surtos de descontrole”, segundo capa recente de outra grande revista. A reação de mulheres em redes sociais veio lembrar que Marcela pode ser o que quiser, mas o patriarcado não determinará quais mulheres são aceitáveis na periferia decorativa dos espaços políticos. A resistência feminista alerta: impeachment não justifica nem nos distrai da misoginia. Com ou sem uma mulher na presidência, participação política igualitária é direito das mulheres.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/3″][/vc_column][vc_column width=”1/3″][vc_column_text]O problema não é ser bela, recatada e do lar

O problema não é ser bela, recatada e do lar

[/vc_column_text][/vc_column][vc_column width=”1/3″][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vcex_social_links social_links=”%5B%7B%22site%22%3A%22youtube%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Fwww.youtube.com%2Fchannel%2FUCLEnSx2zVwo3KPpCU5h64_w%22%7D%2C%7B%22site%22%3A%22facebook%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Fpt-br.facebook.com%2FAnisBioetica%22%7D%2C%7B%22site%22%3A%22twitter%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Ftwitter.com%2Fanis_bioetica%3Flang%3Dpt%22%7D%5D” style=”minimal-rounded” align=”right” size=”20″ width=”30″ height=”30″][/vc_column][/vc_row]