[vc_row][vc_column width=”1/3″][/vc_column][vc_column width=”2/3″][vcex_navbar menu=”6″ font_weight=””][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Nicole foi à praia. Conheceu o mar. Foi uma viagem linda, na companhia de seus pais e sua família. Essa poderia ter sido a história banal de férias de qualquer família, não fosse a discriminação. Nicole é deficiente, tem paralisia cerebral. Por isso, a companhia aérea disse que não poderia permitir seu embarque. Os pais de Nicole recorreram ao Judiciário para garantir que sua filha tivesse a chance de sentir as ondas do mar baterem em seus pezinhos.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vcex_social_links social_links=”%5B%7B%22site%22%3A%22youtube%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Fwww.youtube.com%2Fchannel%2FUCLEnSx2zVwo3KPpCU5h64_w%22%7D%2C%7B%22site%22%3A%22facebook%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Fpt-br.facebook.com%2FAnisBioetica%22%7D%2C%7B%22site%22%3A%22twitter%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Ftwitter.com%2Fanis_bioetica%3Flang%3Dpt%22%7D%5D” style=”minimal-rounded” align=”right” size=”20″ width=”30″ height=”30″][/vc_column][/vc_row]