Cerca de 70 redes e organizações feministas da América Latina e Caribe posicionam-se contra as tentativas de retrocesso na agenda de direitos que tramitam no Parlamento brasileiro, como o PL 5069/2013 e o Estatuto da Família.