[vc_row][vc_column width=”1/3″][/vc_column][vc_column width=”2/3″][vcex_navbar menu=”6″ button_color=”black” font_weight=”” hover_bg=”#c7aae2″][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Casal da Paraíba conta a rotina com a filha que nasceu com microcefalia, de Paloma Oliveto.
Publicado originalmente por Correio Braziliense, em 4 de setembro de 2016.

Esperança é um município de 31 mil habitantes encravado no sertão paraibano. Diz a Wikipedia que, em 1860, foi erguida a primeira capela do local, numa tentativa de convencer Nossa Senhora a encerrar uma epidemia de cólera que se abateu sobre todo o Nordeste. Um século e meio depois, o flagelo é outro. No lugar do vibrião colérico, o Aedes aegypti é que não dá sossego. De 1º de janeiro a 8 de agosto, a Paraíba registrou 35.873 casos suspeitos de dengue, 15.634, de chikungunha e 3.907, de zika, todos eles causados pelo mosquito. Em 2015, o Aedes também esteve inclemente. Só de dengue, fez mais de 1,6 milhão de vítimas, número recorde nos registros históricos. De zika, não se sabe: doença, então desconhecida, não constava do sistema de notificação compulsória do Ministério da Saúde.

Por volta de julho, Maria Carolina Flor, 21 anos, foi picada. A esperancense, moradora da zona rural, a 10km do centro da cidade, começou a sentir dor de cabeça, febre e dor atrás dos olhos. O corpo ficou manchado de vermelho. No posto de saúde, recebeu o diagnóstico de uma enfermeira: virose. Seis meses depois, deu à luz Maria Gabriela. A criança nasceu com microcefalia.

Maria Carolina não sabia, mas, quando o mosquito depositou o vírus zika em sua corrente sanguínea, ela estava grávida de três meses. Mãe de Gabriel, 2, não planejava um novo filho; por isso, havia procurado o Hospital Municipal de Esperança para colocar um dispositivo intrauterino. Porém, diz que até hoje aguarda o agendamento dos exames que precisam ser feitos antes do implante do DIU.

Na semana passada, ela, o marido, Joselito Alves, 27 anos, e as crianças viajaram a Brasília para participar do lançamento do livro Zika: do Sertão nordestino à ameaça global, da antropóloga Debora Diniz. Também vieram denunciar a violação de direitos que, na opinião do casal, começou quando a jovem não teve acesso ao anticonceptivo e continuou com a precariedade de infraestrutura no alto sertão. “O culpado de tudo isso é a negligência do governo. É a falta de esgoto, a falta de saneamento básico, ninguém olha a periferia. E o que acontece? A proliferação de mosquitos”, diz Joselito.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vcex_social_links social_links=”%5B%7B%22site%22%3A%22youtube%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Fwww.youtube.com%2Fchannel%2FUCLEnSx2zVwo3KPpCU5h64_w%22%7D%2C%7B%22site%22%3A%22facebook%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Fpt-br.facebook.com%2FAnisBioetica%22%7D%2C%7B%22site%22%3A%22twitter%22%2C%22link%22%3A%22https%3A%2F%2Ftwitter.com%2Fanis_bioetica%3Flang%3Dpt%22%7D%5D” style=”minimal-rounded” align=”right” size=”20″ width=”30″ height=”30″][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_single_image image=”1143″][/vc_column][/vc_row]