Eduardo Cunha e aborto legal

nov 19, 2015 @ 17:14|Vozes|

Mentiras têm sido temas recorrentes em notícias sobre Eduardo Cunha, atual presidente da Câmara dos Deputados. Há aquelas que ele teria dito sobre contas bancárias que possuiria em paraísos fiscais, e que estão sob investigação pela Procuradoria-Geral da República. E há aquelas atribuídas por ele a mulheres que buscam serviços de saúde após sofrer violência sexual. O deputado é autor do PL 5.069/13, recentemente aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, que tem por objetivo aumentar a criminalização do aborto e restringir o atendimento a vítimas de violência sexual.

Ódio nas redes sociais

nov 17, 2015 @ 17:18|Vozes|

A página “Orgulho de ser Hétero” foi desativada do Facebook depois de denúncias por conteúdo ofensivo. Páginas feministas caíram em seguida, diz-se até que em retaliação. A atriz Taís Araújo sofreu ataques racistas na mesma rede social e acionou a polícia. A blogueira feminista Lola Aronovich foi alvo de uma grosseira campanha de difamação liderada por quem tem tempo de sobra e argumentos de menos para debater com ela.

Violência contra mulheres negras

nov 14, 2015 @ 17:21|Vozes|

No próximo 18 de novembro, acontecerá em Brasília a Marcha Nacional das Mulheres Negras, que se reunirão nas ruas para fortalecer a luta pela equidade sociorracial e de gênero. O chamado da marcha não deixa dúvidas: é contra o racismo e a violência e pelo bem viver. A marcha nos chama à responsabilidade pelo racismo que reproduzimos cotidianamente, pela violência que dizima e encarcera a população negra, pela subalternização que impõe barreiras à participação igualitária de mulheres negras no mundo do trabalho e nos espaços de poder e tomada de decisões no país.

Tragédias nas mídias sociais

nov 4, 2015 @ 17:24|Vozes|

Um rompimento de barragem que fez uma vila inteira desaparecer sob lama. Um atentado terrorista cometido em vários locais de uma grande cidade. As notícias de Bento Rodrigues e de Paris – que poderiam ser ainda de Beirute ou de Mali – são de tragédias, e encheram redes sociais de mensagens de tristeza e espanto, hashtags de solidariedade e também comparações – por qual tragédia se chorou mais? Luto não se hierarquiza, mas não é esse o ponto da questão.

16 dias de ativismo

nov 2, 2015 @ 17:31|Vozes|

A campanha mundial se chama 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres. No Brasil, é um pouco mais longa e começa em 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, para que não esqueçamos do racismo que faz de mulheres negras os alvos mais frequentes da violência. 25 de novembro, Dia Internacional de Eliminação da Violência contra as Mulheres, é outro marco da campanha. Nesta data, em 1960, as irmãs Patria, Minerva e Antonia Mirabal, ativistas políticas contrárias à ditadura de Rafael Trujillo na República Dominicana, foram brutalmente assassinadas a mando do ditador.